Por que Sou Cristão II?

1º slide: Família
Temos que falar sobre Adão e Eva que antes de serem famílias eram indivíduos. Após a criação do 1º casal da terra, explicar: Genesis 1,26.
Ler (Gen,1,26) * VAI NO SLIDE
(Caso queira complementar depois do versículo: Significativo também é o fato de Deus não ter novamente assoprado sobre a mulher para dar-lhe a vida: ambos vivem do mesmo Sopro de Deus, pois foram feitos um para o outro. E o amor do homem pela mulher, logo que a viu, foi instantâneo como em Gênesis 2,23).

2º Slide: Significado de Família:
“A família (do termo latino família) é um agrupamento humano formado por indivíduos com ancestrais em comum e/ou ligados por laços afetivos e que, geralmente, vivem numa mesma casa” * VAI NO SLIDE.
A família representa um grupo social primário que influencia e é influenciado por outras pessoas e instituições. É formado por pessoas, ou um número de grupos domésticos ligados por descendência (demonstrada ou estipulada) a partir de um ancestral comum, matrimônio ou adoção. Nesse sentido o termo confunde-se com clã.
Dentro de uma família, existe, sempre, algum grau de parentesco. Membros de uma família, geralmente pai,mãe e filhos e seus descendentes, costumam compartilhar do mesmo sobrenome, herdado dos ascendentes diretos. A família é unida por múltiplos laços capazes de manter os membros moralmente, materialmente e reciprocamente durante uma vida e durante as gerações. EXPLICAÇÃO.
3º Slide: A família segundo a Igreja católica:
O Papa João Paulo II, na Carta às Famílias, chamou a família de “Santuário da vida” {CF, 11). * VAI NO SLIDE.
Santuário quer dizer “lugar sagrado”. É ali que a vida humana surge como que de uma nascente sagrada, e é cultivada e formada. É missão sagrada da família: guardar, revelar e comunicar ao mundo o amor e a vida. EXPLICAÇÃO
Ao falar da família no plano de Deus, o Catecismo da Igreja Católica {CIC} diz que ela é “vestígio e imagem da comunhão do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Sua atividade procriadora e educadora é o reflexo da obra criadora do Pai” {CIC, 2205). * VAI NO SLIDE
A família é a comunidade na qual, desde a infância, podem-se assimilar os valores morais, em que se pode começar a honrar a Deus e a usar corretamente da liberdade. A vida em família é iniciação para a vida em sociedade”(CIC,2207). EXPLICAÇÃO

4º Slide: “Igreja doméstica”
O Concílio Vaticano li já a tinha chamado de “a Igreja doméstica” {LG, 11) na qual Deus reside, é reconhecido, amado, adorado e servido; nele também foi ensinado que: “A salvação da pessoa e da sociedade humana estão intimamente ligadas à condição feliz da comunidade conjugal e familiar” {GS, 47). VAI NO SLIDE

Em primeiro lugar, é interessante observar que a expressão não é uma invenção teológica. Já está presente em São Paulo: no final da 1ª Carta aos Coríntios, ao enviar saudações, inclui esta: “Áquila e Prisca, com a comunidade que se reúne em sua casa, enviam-vos muitas saudações” (16,19).

Trata-se, então, não de questionar a terminologia, mas de saber as razões que permitem falar dessa maneira. Para isso, é preciso conhecer os conceitos de “Igreja” e “família”, e adentrar no mundo das analogias, ou seja, das semelhanças. Os termos não se transladam com significado idêntico, mas semelhante.

A Igreja é o povo de Deus, a comunidade que se estabelece com a comunhão em Cristo – ou em Deus através de Cristo. Nela, o ser humano encontra os meios de salvação, principalmente a Revelação divina e a graça, cuja entrada é o Batismo e cujos principais canais são os sacramentos e a oração.

A família cristã é uma comunidade dentro desta comunidade, que também forma uma comunhão particular com Deus, desde o momento em que o matrimônio cristão é um sacramento. É o canal estabelecido por Deus para que, em seu interior, os homens e mulheres que chegam a este mundo, no caso, os filhos, e assim, encontrem a graça e a doutrina cristã.

Quem batiza é o sacerdote ou o diácono, mas são os pais que levam a criança para batizar e se comprometem a dar-lhe uma educação na fé. São eles os primeiros responsáveis pela catequese dos seus filhos, os que ensinam a rezar e introduzem seus filhos nas verdades da fé. Com isso, podemos perceber a importância na escolha dos padrinhos, cujo eles são um dos responsáveis por cuidar da vida ativa espiritual da criança até sua idade de consciência, no caso, a Crisma. (eles não são somente para dar presentes.)

A isso podemos acrescentar vários traços da Igreja que podem ser aplicados à vida de uma família cristã que vive como tal: a particular comunhão em Cristo dos seus membros, que se manifesta no acolhimento incondicional, na oração em comum e na projeção apostólica que deve ter frente ao exterior, pois uma família verdadeiramente cristã não vive centrada em si mesma.

Ao refletir sobre tudo isso, a família, vive em paralelo com os sinais de identidade da própria Igreja e está chamada a ser um reflexo da Igreja universal, e inclusive da Santíssima Trindade, logo, a família de Deus.

5º Slide: Escola do amor

FOTO DE MARIA, FOTO DE JOSÉ E FOTO DE JESUS. Vai no slide
Para chegar ao nosso principal exemplo de como ser uma família, tivemos dois seres de suma importância: Maria e José.
Maria: Desde de o ventre de sua santa mãe, Santa Ana, ela já era prometida por Deus a ser a mãe do nosso Salvador.
José: José era um carpinteiro bem mais velho que Maria, mas tinha ela como sua prometida.
Como todos nos conhecemos a historia de Maria e José, quando José quis se casar com Maria, porém ela ficou grávida antes do casamento. Entretanto, ele mesmo assim não a deixou, já provando seu amor a ela e a Deus, em que havia confiado um anjo a José para que ele não tivesse medo.
Podemos ver a “história de amor” de um casal, puro, pois não tiveram relações. Entrando mais nesse casal, podemos perceber a importância de dois indivíduos quando se unem pelo amor do Espírito Santo, formando o matrimônio. EXPLICAÇÂO
6º Slide: Matrimonio
É ADMIRÁVEL e até surpreendente que o amor humano, o amor entre um homem e uma mulher – amor que envolve doação, parceria, cumplicidade, carinho, carícias e intimidade sexual e erótica, – seja marcado por Cristo com a sua Graça, isto é, que seja um Sacramento. O amor entre homem e mulher, amor carnal, também é sinal do Amor de Deus. Explicação.
O pacto matrimonial pelo qual o homem e a mulher estabelecem entre eles por toda a vida, por sua própria natureza ordenado ao bem dos esposos e à procriação e educação dos filhos, entre os batizados foi elevado por Cristo Senhor à dignidade de Sacramento.” (CIC – 1601) VAI NO SLIDE.
Segundo o catecismo, o homem e a mulher, pelo amor, assumem uma aliança para toda a vida. É disso que o Catecismo está falando quando diz “bem dos esposos”. Em segundo lugar, o Matrimônio é assumido para que o casal partilhe seu amor com os filhos que Deus lhes enviar.
O Catecismo recorda ainda que a Escritura, do começo ao fim, fala do Matrimônio e do seu mistério profundo: basta lembrar que, logo no Gênesis, está a criação do homem e da mulher e a ordem de crescerem e se multiplicarem. E vemos ali a primeira palavra do homem, que não foi uma oração a Deus, mas uma declaração de amor: “Eis agora, aqui, o osso dos meus ossos e a carne de minha carne!” (Gn 2,23). EXPLICAÇÃO

7º MATRIMONIO SEGUNDO A BIBLIA

Cristo veio para estabelecer uma nova Aliança, não somente entre Deus e Israel, mas, agora, com a humanidade inteira. Nesta Aliança, que é nova e definitiva, o Esposo é o Cristo e a Esposa é a Igreja. Esta aliança é selada no Espírito Santo, simbolizado pelo Vinho novo.
Aqui na Carta de São Paulo aos Efésios podemos uma conclusão e até um conselho para todos…
“Maridos, amai as vossas mulheres, como Cristo amou a Igreja e se entregou por ela”… (5,21ss).
Carta de São Paulo aos Efésios (VAI NO SLIDE)
Por isso, o Matrimônio entre um cristão e uma cristã, entre dois batizados, é um Sacramento. É um sinal real e eficaz da graça de Cristo: o esposo cristão é, no seu amor, imagem viva do amor do Cristo-Esposo pela Igreja-Esposa; a esposa cristã é, no seu amor, imagem do amor da Igreja-Esposa pelo seu Cristo Jesus.
Então, pela Graça do Sacramento, os esposos cristãos recebem a força do Espírito Santo, que é o Espírito de amor, Espírito da Nova e Eterna Aliança, para se amarem como Cristo e a Igreja se amam. O esposo cristão terá como ideal de amor e atitude de união com o Cristo, que amou sua Igreja até entregar-se por ela, tornando-se com ela um só Corpo e a esposa, por outro lado, terá como modelo a Igreja, toda dedicada ao Esposo Jesus, sendo seu Corpo e a ele permanecendo fiel mesmo nos momentos mais difíceis. Sendo assim, Cristo e a Igreja, uma só Carne.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *